Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/12/2011

Mitos (60) – as teorias da conspiração sobre as agências de rating (VI)

[Continuação de (I), (II), (III), (IV) e (V)]

O conhecido especialista financeiro Professor Doutor Marcelo iluminou-nos há uns meses com a sua infinita sabedoria servida por uma compulsiva lengalenga sobre as notações de crédito da dívida pública serem uma «estratégia americana contra o Euro e contra a Europa, em que as agências de 'rating' têm um papel muito importante».

Aparentemente as agências não sabem disso. A Standard & Poor’s melhorou recentemente de A- para A a notação do Bank of China e do China Construction Bank e desceu a notação de vários bancos americanos, a saber: Bank of America, Goldman Sachs, Citigroup, Merrill Lynch Bank of America, JPMorgan, Wells Fargo e Morgan Stanley.

Sem comentários: