Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/10/2010

Lost in translation (66) – Enganar papalvos é fácil, enganar mercados leva um pouco mais tempo, deveria ele ter dito

Os mercados financeiros têm sido «very unfair to Portugal ... [and]... I felt during these last months that the markets were penalizing us because we didn’t take measures like the Spanish, Greeks and Irish took in salary cuts», disse, em ingles Técnico, o grande líder ao New York Times.

Ao contrário dos mercados, enganar os papalvos que o elegeram não custa nada. Ele pode dizer no dia 29 que os cortes nos salários são só em 2011, responder poucos minutos depois «claro» à pergunta de Teixeira dos Santos para confirmar que seriam para se manter a partir de 2011 e dizer no parlamento no dia seguinte que seriam só para 2011 e depois logo se vê. Tudo isto sem uns papalvos perceberem e outros importarem-se.

Sem comentários: