Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/10/2010

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: A culpa morre solteira e virgem

Secção Insultos à inteligência

Num artigo de opinião profeticamente intitulado «Empobrecimento relativo do país é inevitável», João Cravinho empurra as responsabilidades pela génese da crise portuguesa para os bancos com a ajuda do crédito barato resultante da adopção do euro, a «falta de iniciativa empresarial em Portugal» e Gorbachev. Este último porque fez implodir a União Soviética, implosão que abriu caminho para o investimento estrangeiro nos países do ex-bloco comunista, afastando-o de Portugal (porque seria?).

Os governos de Guterres e, em particular, o mesmíssimo agora articulista, membro do primeiro governo 1995-9 e inventor do conceito de SCUT, não tiverem nada a ver com o assunto. Donde se conclui pela superfluidade dos governos socialistas e, em particular, de João Cravinho, segundo ele próprio.

Pelo seu artigo de opinião, leva João Cravinho, um dos pensadores do regime, cinco afonsos pelo arrojo e 5 pilatos pela lavagem da culpa. Em alternativa, leva 5 chateaubriands, provando-se ser mais falta de memória e discernimento (Alzheimer?) do que de vergonha.

Sem comentários: