Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/10/2010

CAMINHO PARA A SERVIDÃO: As rameiras do regime (2)

[Continuação de (1)]

Já se sabe por quanto a Caixa vendeu o horrendo mausoléu-sede de estética Estado Novo ao fundo de pensões do seu pessoal: exactamente 251,8 milhões de euros [número apresentado pelo Oje]. Com esta engenharia financeira ajeitam-se os resultados deste ano com a mais-valia de 103,7 milhões resultante da venda, valor equivalente ao lucro do 1.º semestre, e parqueia-se nos activos do fundo para financiar as pensões do pessoal um imóvel invendável a não ser no contexto deste tipo de operações criativas entre empresas públicas. Não há notícia que os sindicatos ou a comissão de trabalhadores da Caixa tenham reparado na manobra.

Sem comentários: