Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/10/2010

Desculpem, mas não percebi

«Caso imponha a redução salarial no banco central e absorva essas poupanças ou beneficie delas através do aumento dos resultados da instituição, o Estado estará a financiar-se através da emissão de moeda, acusa o parecer da comissão de trabalhadores (CT) do BdP, entregue ao ministro das Finanças.
Ou seja, o Estado não pode usufruir do corte de custos que venha a impor ao BdP, já que, para o Estado, essa receita permitiria reduzir o défice e as necessidades de financiamento públicas. O que, indirectamente, corresponderia a uma emissão de moeda, já que os proveitos têm origem na autoridade monetária, violando a proibição de financiamento monetário
.» (Negócios online)

Vamos ver se percebi: a CT do BdP, fazendo as vezes de consultor, considera que o eventual acréscimo do lucro do BdeP eventualmente resultante da eventual redução dos custos eventualmente proveniente da eventual redução dos salários dos empregados do BdP é equivalente à emissão de moeda? E se o BdP fizer um acordo com a Renova para a compra de papel higiénico (o preto por exemplo) com desconto, o eventual acréscimo do lucro do BdeP eventualmente resultante da eventual redução dos custos eventualmente proveniente da eventual redução gastos com papel higiénico também é equivalente à emissão de moeda?

Sem comentários: