Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/10/2010

CAMINHO PARA A SERVIDÃO: As rameiras do regime

aqui escrevi sobre a rameira PT, cujos fundos de pensões servirão para encher com 2,6 mil milhões parte do buraco do OE não só de 2010 mas, sabe-se agora, de 2011, fifty-fifty. A PT é apenas uma rameira do regime entre muitas outras rameiras, como os bancos, com o BCP à cabeça, que se propõem transferir para a SS os seus fundos de pensões. É bom para eles que se livram de responsabilidades muito provavelmente subavaliadas, quer em termos de taxa de desconto, quer de mortalidades, e é bom para o governo porque garante a meta do défice de 2011, sem cortar muito mais na despesa, trabalhando assim para salvar as muito prováveis eleições em 2011. Só não é bom para os sujeitos passivos, alguns dos quais ainda não nasceram, obrigados a financiar nas próximas décadas pensões muito acima das pensões médias da SS com o que restar da transferência dos fundos depois de torrada a grana necessária para as incontornáveis emergências.

Neste contexto do gaste agora e pague depois e da contabilidade criativa, não admira que a Caixa tenha tirado da cartola uma manobra de engenharia financeira vendendo o edifício da sede social – aquele horrendo mausoléu de estética Estado Novo onde se alojam mais de 4.000 zombies – ao fundo de pensões que ela própria gere, fazendo entrar umas centenas de milhões de liquidez e eventualmente realizar mais-valias para arredondar os resultados (em 2008 a receita já tinha sido aplicada vendendo ao fundo de pensões por 121 milhões imóveis cujo valor de balanço era 62 milhões).

Sem comentários: