Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/10/2010

Pro memoria (12) - Professor Marcelo, o troca-tintas do regime

A acrescentar às múltiplas trapalhadas do irrequieto professor Marcelo (jantar de vichyssoise e o Cristo que desceu à terra, entre muitas outras), registe-se para a história a estória relatada na Única do Expresso de 17-10:

«No ano seguinte, o OE de Sousa Franco foi salvo in extremis com a difícil colaboração do PSD de Marcelo Rebelo de Sousa, que, para se abster e o viabilizar, teve de arranjar um astuto estratagema. Para salvar a face, num cenário com evidentes paralelismos com a situação política actual, Marcelo Rebelo de Sousa propôs a António Guterres que introduzisse uma cláusula na proposta de OE com que o PSD não concordasse, para depois a retirar como sinal de cedência perante a pressão do principal partido da oposição. O pretexto acabaria por ser a colecta mínima (um precursor do Pagamento Especial por Conta). Marcelo arranjou até um slogan para a ocasião: 'Pena Máxima para a Colecta Mínima', e António Costa (actual autarca de Lisboa e já então um nome forte no aparelho socialista) acedeu a mentir aos jornais dizendo que o Governo fazia ponto de honra nessa medida económica. Pouco depois, Guterres anunciava que a colecta mínima seria retirada, perante o ar vitorioso de Marcelo.»

Sem comentários: