Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/10/2010

Lost in translation (65) – Pensava que os submarinos faziam parte do pacote da Expo 98, queria ele dizer

«Temos de pagar [os submarinos] este ano como despesa extraordinária que precisa de receita extraordinária … [e] … não criou um único posto de trabalho», disse ontem o grande líder no parlamento, assobiando para o lado e tentando sacudir a chuva do capote. Deveria ter dito «peço desculpa aos portugueses por não fazer ideia nenhuma do que votei no conselho de ministros de 8 de Janeiro de 1998 onde se aprovou o programa de aquisição dos submarinos e aproveito para agradecer ao Dr. Portas ter reduzido a factura de 4 para 3 submarinos».

Resolução do Conselho de Ministros n.º 14/98
Assim:
Nos termos da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho de Ministros resolveu:
1 - Aprovar o programa em anexo à presente resolução, da qual faz parte integrante, que disciplina o processo relativo à aquisição de submarinos novos ou usados destinados à Marinha Portuguesa.
2 - A presente resolução entra em vigor no dia imediato ao da da sua publicação.
Presidência do Conselho de Ministros, 8 de Janeiro de 1998.

Sem comentários: