Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/07/2016

Presunção de inocência ou presunção de culpa? (27) – Apanha-se mais depressa um mentiroso do que um coxo. Se for um psicopata leva um pouco mais de tempo (3)

Continuação de (1) e (2).

«O Grupo Lena terá pago comissões de 14 milhões de euros a uma empresa do sobrinho de Lula da Silva e à XLM (empresa supostamente utilizada por Carlos Santos Silva para passar dinheiro a José Sócrates). A notícia é avançada pela edição desta terça-feira do Correio da Manhã que cita um relatório da Autoridade Tributária.

O jornal [CM] cita o relatório, onde se lê que há indícios de que “os arguidos Joaquim Barroca [administrador do Grupo Lena] e Carlos Santos Silva resolveram simular a produção de novos contratos, de forma a justificarem a realização de novos pagamentos a favor da sociedade XLM , com o mesmo fim de permitir a remuneração encoberta do arguido Carlos Santos Silva e a atribuição, seja por pagamentos seja pelo assumir de despesas, de vantagens a pessoas conexas com o arguido José Sócrates”.» (Fonte: Observador)

Sem comentários: