Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/07/2016

NÓS VISTOS POR ELES: Um dos poucos portugueses capaz de separar factos e ficção é porta-voz da polícia de Munique

Marcus da Glória Martins, a separar factos e ficção
«But Germans catch themselves quickly after each disaster. Embodying this stoicism is Marcus da Gloria Martins, Munich’s police spokesman, who has resisted a tsunami of disinformation on social media, calmly sorting fact from fiction. Some of this is terrorism, some of it violence even more senseless; Germany’s sober and measured responses are becoming a model for dealing with all of it.» (The Economist Espresso)

2 comentários:

CSJ disse...

Mas neste caso não apareceram logo a elogiar e a identificar o "português" ou o "luso-descendente", como de costume, sempre que se trata de uma banalidade qualquer. Este não mereceu os elogios das tvs portuguesas. São critérios!

Anónimo disse...

Claro!
Tantos microfones na foto e nenhum tem origem em Portugal.
Bem fez aquela família em mandar isto às malvas.