Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/07/2016

Mitos (234) - A destruição de dinheiro pela banca

Uma das fixações favoritas da esquerdalhada é a demonização da banca - salvo, evidentemente, a banca pública, ainda que seja nela que os vícios que se suporiam privados mais se fazem sentir.

Essa demonização serve um dos mitos de estimação da esquerdalhada: o da destruição de dinheiro pela banca. Aqui, mais uma vez, surge a realidade a atrapalhar a tese, porque não só a banca pública não está isenta dessa suposta «destruição» como tem tido um papel notável, a par da banca privada assaltada pelas cliques das várias famílias socialistas (BPN e BCP) ou com elas amancebadas (BES).

Infelizmente para a fixação e o mito, a banca não destrói dinheiro. A banca financia a destruição de dinheiro em projectos de investimento de «investidores» ou na salvação de empresas falidas de «empresários» públicos e privados amigos do regime. Esta evidência é em geral cuidadosamente escamoteada para não comprometer a tese.

O Expresso publicou um artigo sobre o PER (Processo Especial de Revitalização) onde estima o volume total de créditos que podem estar envolvido neste processo entre 30 a 40 mil milhões de euros, algo entre 17% e 23% do PIB e onde inclui o quadro seguinte dos vinte maiores PER que somam 12 mil milhões e onde encontramos em lugar de destaque os Espírito Santo e o BPB-SLN.


Começa a ser difícil esconder a evidência de que o dinheiro alegadamente destruído pelos bancos é o custo dos elefantes brancos do regime promovidos pelos seus amigos, custo suportado não pelo Estado, mera instância de extorsão, mas pelos contribuintes, também adequadamente chamados sujeitos passivos.

Sem comentários: