Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/07/2016

Bons exemplos (110) - Horta Osório, uma espécie de Mourinho da banca

Embora a uma distância respeitosa, o único profissional português que rivaliza com José Mourinho ou Cristiano Ronaldo em notoriedade internacional é António Horta-Osório, actual presidente do Loyds Bank, onde tem feito um trabalho notável, e antigo presidente do Santander Totta, onde fez um trabalho notável e ganhou o petit nom odioso de «o amigo dos espanhóis», dado pelo bando de banqueiros do regime. Leia-se o que sobre ele escreveu o Financial Times e o tom irónico-respeitoso so british:

«Lloyds’ boss António Horta-Osório really likes to win. So much so that on Wednesday he cancelled a day out at Wimbledon to go to the Euromoney awards at the Tower of London. He picked up a gong for being the world leader in “Adapting to the Regulatory Environment”. Horta-Osório was also missing the football — his native Portugal was pitched against surprise semi-finalists Wales. But the banker clearly kept abreast. Taking the stage to accept his award, he gloated: “Portugal is leading 2-0 and [there’s] one minute to go, so I’m going to make my bet.” He then launched into a worthy speech about the UK banking system being “stronger than ever”. But he forgot his host was Rob Brydon, the Welsh comedian. And Brydon had the last laugh. “Viewers will be pleased to hear that Antonio’s speech is now available as a talking book,” he quipped, as the deflated banker left the podium.»

Ver outros bons exemplos de Horta-Osório: aqui, aqui, aqui e aqui.

Sem comentários: