Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

25/07/2016

CASE STUDY: Câmara de Lisboa – a obra feita pelo sucessor de Costa

A semana passada, Rui Paulo Figueiredo, um deputado pelo PS, escreveu no Negócios um artigo vibrantemente apologético sobre a gestão da câmara de Lisboa, concluindo que «Lisboa respira saúde financeira. A Câmara Municipal paga praticamente a pronto aos seus fornecedores, faz obra, dinamiza a economia e tem respostas sociais. (…) É o que tem sido feito por Fernando Medina.»

Analisemos então o milagre comparando-o com a câmara do Porto e começando por recordar que em 2012 o governo pagou 286 milhões pela compra há mais de 70 anos dos terrenos do aeroporto, 20 anos antes de Costa ter nascido, e pela «compra» dos terrenos da Expo, uns 20 anos antes de Costa ter aterrado na câmara.


Vejam-se os meios financeiros de que Lisboa dispõe comparada com o Porto (mais do dobro da receita de impostos municipais por habitante), o que, apesar da referida dádiva do governo, não impede um endividamento por habitante 7 vezes superior. Compare-se a eficiência medida pelo número de trabalhadores por mil habitantes e sobretudo pelas despesas com pessoal por habitante que em Lisboa são 60% superiores às do Porto.

O que estes indicadores mostram não é a excelência da gestão da câmara de Lisboa, é o paradigma da gestão socialista. E o que mostra o artigo do deputado é uma peça de agitprop para sujeitos passivos e mal informados.

NOTA: Os valores totais das receitas municipais indicados no quadro tinham um erro já corrigido. Esse erro não afecta as conclusões que, evidentemente, se basearam nos valores por habitante que estavam correctos.

Sem comentários: