Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/07/2016

Dúvidas (168) – Irá o Brexit consumar-se? (III)

Como que uma continuação daqui e dali.

Não é uma dúvida retórica. As consequências que os adeptos britânicos da saída minimizaram ou omitiram estão a emergir. Se o valor das empresas que resulta das suas cotações em bolsa tem algum significado (e tem muito, porque representa o valor que os mercados atribuem às empresas e os mercados põem o dinheiro onde põem a boca), a evolução posterior ao referendo das capitalizações bolsistas das 250 maiores empresas dos 10 países mais representativos nas relações com a Grã-Bretanha deve reflectir o impacto do Brexit.

Economist
E essa evolução representada no diagrama mostra bem o impacto negativo antecipado pelos accionistas no valor dessas 250 empresas, que constituem o núcleo das economias desses países, em todos os sectores e, muito particularmente, como seria de esperar, no sector financeiro. Curiosamente, não é a Grã-Bretanha a economia mais afectada. A Itália, França, Alemanha, Espanha e Holanda sofrem um impacto mais pronunciado.

Sem comentários: