Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/07/2016

O tigre celta e o tareco lusitano (7) - Os felinos antes e depois da crise

[Sequela de (1), por sua vez sequela de O rugido do tigre vs o miado do gato, de (2), de (3), de (4), de (5) e de (6)]

Para começar e melhor entender o que vem a seguir, republico o quadro comparativo entre o tigre e o tareco com os dados de 1995 e 2011 pouco depois do início da crise.


E acrescento outro quadro com dados actualizados de vários anos posteriores ao início da crise que podem ser considerados marcos.


Note-se que a taxa de crescimento do PIB da Irlanda indicada para 2015 é antes da revisão recente que a elevou para 26,3%, por razões excepcionais que estão explicadas (por exemplo aqui).

Os indicadores falam tão alto que não julgo necessário acrescentar prosa. O que é que a Irlanda tem que Portugal não tem? Várias coisas. E o que tem Portugal que a Irlanda não tem? Várias coisas. Por exemplo, uma selecção de futebol que ganhou o Euro 2016, está em 6.º lugar no ranking mundial da FIFA e é 3.ª no ranking europeu, contra o 31.º lugar da Irlanda.

E o que é que tem o futebol de diferente do resto das actividades em Portugal? Várias coisas, entre as quais: uma regulação leve, concorrência nacional e internacional entre operadores e, sobretudo, um mercado de trabalho aberto, competitivo e internacional - deve ser a única actividade em Portugal em que as famílias, os partidos e as maçonarias não arranjam lugares na profissão do chuto para os seus filhos, camaradas e irmãos, respectivamente.

Sem comentários: