Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/09/2015

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: Também não os entendo

«Eu confesso a minha perplexidade: não entendo as pessoas de esquerda. Não, não se trata da mania de por o estado em tudo, de achar que o burocrata de serviço ou o legislador sabem melhor do que eu tomar conta da minha vida (isso também não percebo). Nem a afeição (incompreendida pela minha pessoa) por empresas públicas mal geridas. Nem sequer do amor sem limite por impostos (entendo ainda menos). (...) 

Não, desta vez o que não percebo na esquerda é a sua visão das mulheres. Deixemos por agora de lado os factos de o magnífico Syriza, farol de todas as esperanças à esquerda, ter conseguido fazer um governo sem nenhuma senhora. Ou de Corbyn, a mais recente paixão dos socialistas nacionais com acesso às redes sociais, ter constituído um governo sombra all male. Juro que não vi nem o mais pequeno resquício de fanico nos esquerdistas lusos à conta de tanto exuberante machismo. Mas deixemos o internacionalismo.».

«A esquerda baralha-se quando se trata de mulheres», Maria João Marques no Observador

1 comentário:

Anónimo disse...

Ou, talvez, as mulheres não se deixam baralhar com a sinistra. Sabem como é a vida e sabem que não se faz com ideais.
Abraço