Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/09/2015

De boas intenções está o inferno cheio (37) – A religião é a política por outros meios? (X)

Podemos especular sobre as razões profundas do enamoramento da esquerdalhada em geral pelo papa Francisco, mas os exemplos não faltam. Quem diz a esquerdalhada em geral diz a esquerdalhada em particular. Por exemplo a esquerdalhada artística.

Desta vez calhou à punker Patti Smith, uma rapariga já com idade (70 anos) para ser bisavó, que em entrevista ao Público disse que «o Papa Francisco é alguém que me interessa muito. Ele é católico, eu não, mas a sua visão não é circunscrita aos católicos, é global, e isso interessa-me. (…) o Papa Francisco é muito mais revolucionário do que Barack Obama.»

Escrito isto, acrescento que, por acaso, até apreciei algumas da produções de Patti Smith. Simplesmente ser uma talentosa singer-songwriter qualifica-a tanto para ter opiniões estimáveis como a obra do economista liberal Thomas Sowell o qualifica para cantar decentemente «Because the Night».

Sem comentários: