Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/09/2015

Encalhados numa ruga do contínuo espaço-tempo (47) – Minas de carvão para todos e carruagens só para mulheres (4)

[Continuação (1), (2) e (3)]

A propósito das políticas do New Old Labour de Jeremy Corbyn, um admirador do chávismo, do Hamas, do Syriza, com uma opinião indulgente sobre Putin e crítico do excesso de capitalismo do Partido Comunista Chinês, a Economist desta semana aponta as consequências indesejadas de uma das políticas de Corbyn (política muito popular em Portugal):

«But scrapping university-tuition fees would be regressive and counterproductive. For proof, consider that in England more poor students go to university than when higher education was free, whereas in Scotland, whose devolved government has abolished tuition fees, universities are facing a funding crisis and attract no more poor students than they did.»

Sem comentários: