Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/09/2015

Pro memoria (258) – Esclarecendo os conceitos e colocando em perspectiva a crise de migrantes e refugiados para a Europa

Esclarecendo os conceitos


Segundo a Convenção de Refugiados de 1951, refugiado é uma pessoa «temendo ser perseguida por motivos de raça, religião, nacionalidade, grupo social ou opiniões políticas, se encontra fora do país de sua nacionalidade e que não pode ou, em virtude desse temor, não quer valer-se da protecção desse país». «Migrantes, especialmente migrantes económicos, decidem deslocar-se para melhorar as perspectivas para si mesmos e para suas famílias. Já os refugiados necessitam deslocar-se para salvar suas vidas ou preservar sua liberdade.» (ACNUR)

Quantos serão de facto os refugiados entre a massa de pessoas que tentam entrar na Europa vindos de África e do Médio-Oriente?

Colocando em perspectiva (1)


«Entendamo-nos: o número de pessoas que está a chegar à Europa é ínfimo. Há quarenta anos, em Setembro de 1975, quatro mil portugueses provenientes de Angola desembarcavam diariamente nos aeroportos da Portela e Pedras Rubras. Portugal, um pequeno país viu chegar, entre 1974 e 1976, mais de meio milhão de pessoas às quais nunca reconheceu o estatuto de refugiados. Chamou-lhes retornados.

À época não vimos fotografias das crianças mortas, que as houve, nem das mulheres violadas, nem dos condutores queimados vivos. Vimos alguns corpos, geralmente de negros, amontoados nas ruas de uma Angola a soçobrar na guerra. E, claro, tivemos depois as imagens de gente amontoada no aeroporto, dos bebés de biberon na boca a entreter o sono e dos caixotes em frente ao Tejo

«Vamos lá trocar umas ideias sobre o assunto», Helena Matos no Observador

Colocando em perspectiva (2)


«To put this in perspective, the U.S., with a population of 320 million, has some 11 million undocumented immigrants. They make up about 3.5 percent of the U.S. population. The EU, by contrast, had between 1.9 and 3.8 million undocumented immigrants in 2008 (the latest available figures), or less than one percent of its population, according to a study sponsored by the European Commission. Put another way, nearly 13 percent of the U.S. population (some 41 million residents) are foreign-born -- twice the proportion of non-EU foreign-born people living in Europe

«The Refugee Crisis That Isn't», Kenneth Roth, Executive director of Human Rights Watch

Sem comentários: