Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/09/2015

Mitos (211) – Para além da troika

Por diversas vezes desmistificámos no (Im)pertinências a lengalenga de Passos Coelho e do seu governo de ter tomado medidas para além das previstas no Memorando de Entendimento. Foi uma lengalenga que, sendo mentira, confirmou a berraria da oposição e deu tiros nos pés do governo perante uma opinião pública maciçamente contra a maioria dessas medidas e odiando em particular as que lhe foram directamente aos bolsos e, por isso, foi uma mentira biblicamente estúpida.

Durante o debate esta semana nas televisões, Costa desenterrou-a sem o menor dos escrúpulos ou sem fazer a mínima ideia do que estava dizer (dependendo o seu grau de ignorância) perante a passividade de Passos Coelho. Uma leitura em diagonal do Memorando de Entendimento mostra claramente que muitas reformas não foram adoptadas (entre elas a reforma autárquica e a da administração pública que se limitaram a cosmética).

Quanto às medidas com impacto orçamental recomendo os seguintes posts do Insurgente: «Portugal não foi além da Troika» e «Recordam-se deste gráfico?» que deixam patente não ter ido o governo para além do Memorando. Em vez disso, ficou aquém, como de resto resulta do facto elementar de todos os défices previstos no MoU e nas suas revisões terem sido excedidos.

Sem comentários: