Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/09/2015

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: De como o melhor que pode acontecer ao paraíso prometido aos gregos pelo Syriza é ser um purgatório (XXXIX) – Much Ado About Nothing

Outros purgatórios a caminho dos infernos.

ekathimerini
Qual foi o resultado de 8 meses de agitação esquerdista na Grécia?

Em relação a Janeiro, nas eleições de Setembro votaram menos 615 mil eleitores (6.181.274-5.566.295), o Syriza perdeu 320 mil votos (2.246.064-1.924.904) e 4 deputados (149-145, incluindo o bónus de 50 deputados por ser o partido mais votado), a Nova Democracia perdeu 192 mil votos (1.718.815-1.526.205) e 1 deputado (76-75), o Anel (Gregos Independentes) perdeu 93 mil votos (293.371-200.423) e 3 deputados (13-10).

O governo vai ser constituído com base na mesma coligação espúria entre o Syriza, uma aliança esquerdista que inclui trotskistas, maoístas e comunistas ortodoxos, e o Anel, um partido de extrema-direita, xenófobo e ultranacionalista. É o equivalente em Portugal a um governo de coligação do Bloco de Esquerda com o PNR - Partido Nacional Renovador.

Depois de um referendo promovido pelo governo Syriza-Anel que rejeitou o pacote de medidas proposto pela troika, o governo capitulou e acabou por aceitar medidas mais pesadas como condição para um terceiro bailout de 86 mil milhões.

Para trás ficou a facção dissidente mais esquerdista do saco de gatos do Syriza que não conseguiu votos suficientes para eleger um deputado e Yanis Varoufakis, o ex-ministro das Finanças e pop star radical chic.

Para a frente fica uma queda do PIB prevista de 2% (depois de um crescimento em 2014), mais desemprego (depois de uma ligeira diminuição em 2014) e a continuação dos controlos de capitais. Ou seja, para a frente fica o que vem de trás agravado por 8 meses de circo.

Sem comentários: