Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/09/2015

ARTIGO DEFUNTO: A tudologia e as estatísticas de causas

Regressado de férias, enfastiado por nada ter acontecido na sua ausência (as coisas só acontecem quando e porque ele por cá está, quase que escreveu ele na sua primeira crónica na rentrée), Miguel Sousa Tavares na sua crónica de ontem no Expresso no meio das suas elucubrações sobre o Novo Banco (ele deveria ter pudor e não escrever sobre os resultados das golpadas do compadre Ricardo) pergunta-se «o que pensam dizer aos 350.000 portugueses que emigraram nos últimos quatro anos?»

Acontece que, segundo o INE, o número de emigrantes nos últimos 4 anos é de 199 mil e por isso pergunto-me onde terá MST ido buscar os seus 350 mil? Terá partido dos 500 mil que a deputada socialista Ana Catarina Mendes citou no parlamento e feito um desconto de 30%? Pergunto-me ainda: o que pensa MST dizer aos 150 mil portugueses que segundo ele emigraram e segundo o INE ainda cá estão?

1 comentário:

Antonio Cristovao disse...

Um tudologo, que se começa a tornar cansativo.