Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/09/2015

Dúvidas (121) – Qual a fiabilidade das sondagens amigas da Eurosondagem?

Já em várias situações no (Im)pertinências colocámos em dúvida a fiabilidade das sondagens da Eurosondagem, uma empresa de Rui Oliveira e Costa, ex-deputado e dirigente do PS e comentador desportivo.

Uma vez mais a dúvida se levanta quando comparamos as sondagens da Eurosondagem para as Legislativas com as outras duas. Por exemplo entre os dias 20 e 26 foram publicadas 12 sondagens da Intercampus e da Universidade Católica e todas elas dão vantagem crescente à coligação sobre o PS: entre 3% e 5% a primeira e entre 5% e 7% a segunda. Em total contradição, a sondagem da Eurosondagem do dia 25 dá uma vantagem de 0,5% ao PS.

É certo que a sondagem da Eurosondagem é sobre uma amostra maior (1.548) do que as restantes (Intercampus 1.024 e UC 1.027) mas o somatório da dimensão destas duas amostras (que se podem considerar independentes) é maior do que a da Eurosondagem.

Ora as sondagens da Eurosondagem dão imenso jeito à imprensa amiga que a partir delas escreve a lengalenga habitual sobre o «empate técnico», o que em político-jornalês quer dizer a mesma coisa do que «razões técnicas» para explicar as grossas broncas em coisas que deveriam funcionar e não funcionam.

Sem comentários: