Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/09/2015

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: De como o melhor que pode acontecer ao paraíso prometido aos gregos pelo Syriza é ser um purgatório (XXXVIII) – So far, not so good

Outros purgatórios a caminho dos infernos.

Infelizmente, as piores previsões que tenho vindo a fazer nesta série de posts, que já vai no seu 38.º, têm-se vindo verificar no essencial. No último post escrevi que o saco de gatos do Syriza está a romper-se e que Tsipras ao forçar novas eleições provavelmente ganharia mas teria de se coligar de novo com a extrema-direita do Anel ou com a Nova Democracia. A realidade parece estar a ultrapassar a previsão.

A popularidade de Alexis Tsipras, que já foi da ordem dos 70% de aprovação em Março, tem vindo a descer e, segundo uma sondagem de há dias, está em menos de 30%. Nesta 4.ª feira uma outra sondagem revela que a vantagem do Syriza para a Nova Democracia é agora de apenas 0,4% (no domingo era de 1,5% e nas eleições de Janeiro foi de 8,5%).

Imagine-se um novo governo de coligação a fazer o contrário do que o governo anterior tinha prometido no contexto de uma mais que duvidosa tolerância do povo grego para suportar uma disciplina financeira mais dura do que a anterior e de uma tolerância ainda mais duvidosa dos governos da Zona Euro, sob pressão dos seus eleitorados e da premência de encontrar soluções para o problema do afluxo de refugiados (a maioria são imigrantes e não refugiados, no sentido das convenções de Genebra).

Sem comentários: