Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/03/2012

Mitos (66) – as teorias da conspiração sobre as agências de rating (VIII)

[Continuação de (I), (II), (III), (IV), (V), (VI) e (VII)]

O que pensarão os adeptos das teorias da conspiração ao saber que a Fitch melhorou a notação da dívida pública em 4 níveis de restricted default para B- com um outlook estável?

A explicação simples é a de que com o acordo de swap aceite pelo credores e a consequente redução do stock de dívida, do seu reescalonamento e da redução de juros a probabilidade de incumprimento terá baixado sensivelmente.

Contudo, não acredito que os adeptos se desmoralizem por tão pouco. O upgrade traz água no bico. Anda aqui mão do do grupo de Bilderberg, de Wall Street, do Tea Party ou dos sábios do Sião, pensarão. Acrescentariam a mão de um governo americano se já lá não estivesse Santo Obama.

Sem comentários: