Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/03/2012

ESTADO DE SÍTIO: O efeito multiplicador do investimento público (2)

Não me recordo de nenhuma obra do regime com um rácio de derrapagem inferior a 50%. Uma parte significativa derrapou 100% ou mais, o que levaria a concluir que o famoso multiplicador do investimento público não é a relação entre o aumento do produto e o investimento, mas antes a relação entre o custo real da obra e o valor orçamentado, isto é o rácio de derrapagem.

O caso da Casa da Música no Porto é ainda mais extraordinário porque a obra ficou a custar 3 vezes mais do que o orçamentado. O que não é extraordinário é a incapacidade deste elefante branco gerar receitas que ao menos paguem os seus custos de funcionamento, como agora reconhece o administrador delegado quando diz estar o modelo económico da Casa da Música em crise.

Ao mesmo tempo que reconhece a insustentabilidade do elefante, o administrador delegado defende que a fundação é «um excelente negócio para o Estado (porque) em 2011, cada euro que o Estado meteu na CdM transformou-se em quase três». Dir-se-ia que este multiplicador do administrador delegado é talvez a criação mais notável da Casa da Música, porque o rácio entre a venda de bilhetes e o montante dos subsídios do Estado, que o relatório de 2010 nos mostra menos de 1 milhão e 10,5 milhões, respectivamente, é mais de 10 para 1.

Isto é, para vender um euro dos bilhetes pagos pelos 216 mil espectadores e participantes que em 2010 assistiram a espectáculos ou participaram em actividades, a Casa da Música consumiu mais de dez euros do dinheiro dos milhões de não espectadores. Como as receitas do restaurante foram quase 2/3 da venda de bilhetes e os respectivos custos serão apenas uma fracção insignificante dos 3,5 milhões de honorários dos artistas, 1,5 milhões de consultores e 6,7 milhões dos gastos com pessoal, aqui fica uma sugestão de alteração do modelo de negócio: passar de Casa da Música a Casa da Comida.

[Entre os espectadores de 2011 encontrava-se este vosso criado que pode presenciar, durante um concerto de Anne Sofie Von Otter e Brad Mehldau, uma manifestação de labregos aqui relatada – mais um custo intangível a adicionar aos subsídios.]

Sem comentários: