Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/03/2012

ARTIGO DEFUNTO: Seria trágico se não fosse cómico

Indignei-me prematuramente por a Comissão Europeia ter considerado a introdução de portagens nas ex-SCUTS «uma injustificada violação do princípio da livre circulação de pessoas e uma flagrante violação do princípio da não discriminação em razão da nacionalidade».

Devia ter-me indignado, uma vez mais, com o jornalismo a soldo dos lóbis que publica tais notícias sem ter o cuidado de as confirmar, dando crédito a Ricardo Oliveira, sócio da sociedade de advogados do regime PLMJ, em vez de questionar a Comissão Europeia.

Ao que parece (já não se garante nada porque o jornalismo de causas trabalha para várias causas), o comissário europeu dos Transportes desmentiu que a Comissão tivesse «qualquer intenção de fazer Portugal alterar as antigas auto-estradas SCUT em vias sem portagem».

Sem comentários: