Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/03/2012

DEIXAR DE DAR GRAXA PARA MUDAR DE VIDA: Quotidiano de desleixo, incompetência e negligência (2)

O viaduto junto ao INATEL na Marginal em Oeiras tem altura insuficiente para alguns veículos pesados actuais por lá passarem sem chocar. Depois de muitos anos e muitos choques a enfraquecerem o viaduto, a EP resolveu iniciar obras, que se prolongarem por mais de 3 meses, para rebaixar o pavimento da estrada sob o viaduto.

Durante todo esse tempo, agitaram-se na pequena área sob o viaduto e na rotunda adjacente dezenas de operários e máquinas do empreiteiro «fiscalizados» por uma equipa de técnicos da EP para executarem um projecto que até um leigo desconfiaria ser defeituoso.

Como se pode perceber na foto do Google Earth e nas fotos seguintes tiradas premonitoriamente no final das obras há 5 semanas, a área envolvente com centenas de milhar de metros quadrados está toda acima do nível do pavimento sob viaduto, e o acesso à Marginal sob o viaduto já se encontrava num plano vários metros inferior às 3 estradas que convergem para a rotunda e para o acesso.




Com as obras, este pavimento foi rebaixado ao ponto de ficar numa cova cerca de 1 metro abaixo do nível da rotunda e do acesso à Marginal que seria a única saída para uma torrente de água proveniente da área envolvente. Imagine-se o que será uma precipitação de umas dezenas de mm em poucos minutos na zona envolvente a convergir para uma área de umas poucas centenas de m2 sob o viaduto com 2 minúsculas sargetas como esta:


O que se poderia esperar deste milagre da engenharia num clima caracterizado pela irregularidade das precipitações e ocorrência frequente de chuvas torrenciais? Ainda não se sabe. Sabe-se apenas que ontem à tarde, após meia hora de chuva moderada, a coisa ficou assim:


Esperemos por uma daquelas chuvas torrenciais à séria e poderemos ter cacilheiros ancorados debaixo do viaduto.

Sem comentários: