Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/03/2012

A maldição da tabuada (8) – se não sabes medir, não sabes gerir

Num país normal os problemas identificam-se e a sua extensão mede-se. Pode ser que os vários interesses em jogo ou as diferentes doutrinas não se entendam sobre o que é um problema, mas geralmente conseguem por-se de acordo com a métrica, visto que métrica costuma ser um conceito razoavelmente objectivo.

Portugal não é um país normal também a este respeito, porque o verdadeiro problema não é geralmente «o problema». O verdadeiro problema é a medida, segundo um certa métrica, duma coisa que não se sabe se é um problema ou, sabendo-se, não se conhece a sua gravidade. E porquê? Há vários porquês, mas hoje vou só exemplificar, mais uma vez, o porquê relacionado com tabuada.

Veja-se o caso da dívida das autarquias. Primeiro, Miguel Relvas diz numa aula aberta do ISCSP (esqueçamos uma coisa destas ter sido dita por um ministro em tais circunstâncias) que a dívida total dos municípios e das suas filhas empresas municipais (os tais expedientes para nomear dezenas de administradores e encavalitar tenças) seriam de 12 mil milhões, incluindo uma dívida de curto prazo de 3 mil milhões. Há menos de 2 meses, o mesmo ministro ainda só tinha encontrado 1,5 mil milhões, isto é metade da dívida de curto prazo.

Pouco depois da aula aberta, o vice-presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses dizia ser a verdadeira dívida não mais de 7,8 mil milhões e que, portanto, tinham enganado o senhor ministro ao acrescentar mais metade (repare-se na recorrência do rácio de aproximação).

Ainda algumas horas depois, Fernando Ruas, o presidente daquela Associação, exprime o seguinte pensamento que deveria ser registado e arquivado no Torre de Tombo na secção Anais Sobre a Relatividade dos Números:

«Admito (que sejam os 12 mil milhões), como admito o contrário, de ser menor. Acho é que é determinante saber-se exatamente qual é a dívida dos municípios, e é a essa que vamos dar resposta. Admito qualquer possibilidade.»
Não é por acaso que o doutor Fernando Ruas chegou onde chegou. Ele já se evadiu dos espaços euclidianos e paira em outras topologias fora do alcance dos leigos que vão pagar os n mil milhões, qualquer que seja o valor de n.

Sem comentários: