Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

21/03/2012

Columbine à Toulouse

Houve um tempo em que os crimes e massacres de ódio só ocorriam nos EU de Bush e sobre eles um Michael Moore rodaria um panfleto como “Bowling for Columbine”. Agora que a Casa Branca está ocupada por Santo Obama, esses crimes passaram a ser factos da vida e podem ocorrer em qualquer lado.

Quando esses crimes ocorrem na Europa, em França, por exemplo, ou, para ser mais preciso, em Toulouse e têm como vítimas pessoas que não pertencem às minorias protegidas pelo politicamente correcto, como os judeus, para os condenar e lamentar as mortes é preciso citar e comparar, com outros crimes contra essas outras minorias protegidas, como palestinos em Gaza. Dito por outras palavras, é preciso relativizar.

Outros columbines registados pelo (Im)pertinências: Columbine na Argentina;  Deutsche Columbine; Columbines num estado social; A cada um o seu columbine; Kolumbine am MainRealengo, uma Columbine tropical.

Sem comentários: