Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/04/2017

Quem disse?

«Um abrandar da nossa vontade, da nossa determinação em ter boas contas públicas, podia fazer perigar a própria situação de longo prazo do país. Temos uma dívida pública muito elevada e que precisa de ser reduzida de forma substancial».

Dito numa entrevista a um dos diários do regime que a titulou «Abrandar a consolidação poderia pôr em perigo o país». Curiosa, mas não surpreendentemente, na sua edição online diária, o semanário do regime adoptou precisamente o mesmo título para citar trechos da mesma entrevista. Quem disse?
  • Vítor Gaspar, ministro das Finanças do governo neoliberal "austeritário" de Passos Coelho
  • Maria Luís Albuquerque, sua substituta 
  • Passos Coelho himself  
  • Nenhum dos anteriores
Acertou se escolheu a quarta opção - quem disse foi Pedro Marques, o ministro do Planeamento de Costa. É uma espécie de legitimação a posteriori da austeridade neoliberal, como dizem os patetas que confundem austeridade com necessidade e não sabem o que é ser liberal.

É também uma espécie de insulto à inteligência ou elogio à estupidez (talvez mais este do que aquele) dos eleitores do PS que votaram no «Virar a página da austeridade» e no «início de um ciclo virtuoso, assente na melhoria do rendimento e no incentivo do investimento empresarial».

Sem comentários: