Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/04/2017

Encalhados numa ruga do contínuo espaço-tempo (75) - O cão de Pavlov

Face à condenação generalizada do ataque com armas químicas contra populações sírias, atribuído ao regime de Bashar Al-Assad apoiado pelo regime do czar Putin, os comunistas domésticos insurgiram-se com veemência e opuseram-se ao voto no parlamento condenando o ataque.

Não há uma explicação racional para a colagem dos comunistas portugueses ao partido Baath e ao regime despótico de Assad nem ao partido Rússia Unida e ao regime autocrático de Putin, porque nenhum deles tem, de perto ou de longe, qualquer relação com o comunismo como ideologia, nem mesmo com a vulgata comunista do PCP. Sendo certo que o Baath e o clã Assad foram durante décadas aliados da União Soviética governada pelo PCUS, cuja doutrina oficial era o marxismo-leninismo, com o colapso do regime soviético depois da queda do muro de Berlim em 1989, o regime que se seguiu tem de comum com o comunismo apenas o facto de ser uma autocracia onde a nomenclatura soviética foi substituída pela mafia putinesca.


Ocorre-me como explicação mais aceitável a de que se trata de um reflexo condicionado como o do cão de Pavlov, habituado a associar comida ao som do badalo, que se babava quando este tocava ainda que não houvesse comida por perto.

Sem comentários: