Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/04/2017

In vino veritas

Fonte: Semanário de reverência
Queixam-se do Dijsselbloem, que até nem falou na liderança do ranking do briol, e se Jeroen vier a descobrir as resmas de casas de alterne espalhadas por esse país e recuperar da Torre do Tombo o célebre número da edição europeia da Time com o artigo When The Meninas Came To Town e concluir que as meninas do alterne são a alegria dum patriota que nem as mães brigantinas conseguiram travar?


Assim se confirmará que, além de lendas vivas na copofonia, os tugas são verdadeiros machos, agora semi-clandestinos por causa do politicamente correcto.

A essas duas dimensões, copos e gajas, é mister adicionar a grande propensão para a pedinchice comprovada por mais de três décadas a torrar 9-milhões-9 de euros por dia do dinheiro desses tristes nórdicos. E assim chegamos à demonstração da negação do statement de Dijsselbloem e podemos dizer ao Mourinho Félix que, enquanto lhe segura a mão visível, lhe grite orgulhosamente na cara: podemos gastar todo o vosso dinheiro em álcool e mulheres (*) e continuar a pedir ajuda!

(*) Num sentido figurado. Em rigor deveríamos acrescentar autoestradas, bolsas de doutoramento em ogias, startups que fecham assim que acabam os subsídios, pasto para a vaca marsupial pública, as contas do Eng. Sócrates, as offshores do Dr. Ricardo and all that jazz.

1 comentário:

Anónimo disse...

Vamos lá àquele nico de cultura.

«54 litros de vinho por pessoa e por ano».

As bebidas alcoólicas comerciais têm de ter, no rótulo, uma indicação sobre o seu teor de álcool, na forma de uma graduação dada em «percentagem» — p.ex., 12% (o que é conhecido como o número de Gay-Lussac).
Esta informação é confusa e errada porque, ao indicar uma relação entre o Peso de álcool contido num Volume, fá-lo no formato de uma «percentagem» entre gramas e mililitros — 12% indica que há 12 gramas de álcool em 100 mililitros de bebida.
Como a densidade específica do álcool é de 0,8 (enquanto que um mililitro de água pesa 1 grama, 1 mililitro de álcool pesa 0,8 grama) aos 12 g do exemplo acima corresponde um volume de 15 mL de álcool, ou seja, em 100 mL da bebida alcoólica existem 15% de álcool, volume por volume. Na prática, a comparação peso por peso é impossível de se fazer porque as bebidas alcoólicas têm (além de álcool e água) um peso não negligenciável de compostos orgânicos.
Calcula-se os gramas de álcool contidos num volume de uma bebida multiplicando por 0,8 a «percentagem» indicada no rótulo, e multiplicando o resultado pelo volume no recipiente (a garrafa) em decilitros (1 dL = 100 mL = 0,1 L). Exemplo: calcular a quantidade de álcool correspondente a uma garrafa de 7,5 dL de vinho tinto com 12% de grau alcoólico:
0,8 x 12 (%) x 7,5 (dL) = 72 Gramas de Álcool.

Hic!