Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/04/2017

Ciência da trivialidade - a teoria do laço dos atacadores



Um grupo de engenheiros mecânicos da universidade de Berkeley acaba de publicar um artigo científico na revista Proceedings of the Royal Society em que explica pela primeira vez por que se desatam os laços dos atacadores dos sapatos. A razão é um efeito duplo do golpe de pisar e do chicotear que actua como uma «mão invisível», aliviando o nó e puxando nas extremidades livres dos laços que acabam por se desenrolar. O estudo é um exemplo de como a ciência encontra respostas para quase tudo, até para as questões triviais. Graças a uma câmara em slow motion percebe-se uma interacção complexa de forças faz com que o nó do laço se desate em segundos. (Fonte)

Sabe-se lá porquê, isso fez-me lembrar a geringonça - o que não é difícil porque desde há um ano muita coisa me faz lembrar a geringonça. Neste caso foi a «mão invisível» que gradualmente vai aliviando o nó e puxando pelas extremidades livres de laços que acabam por se desenrolar. De um momento para o outro, quando tudo parecia caminhar sobre rodas, neste caso sapatos, os laços desenrolam-se, o nó desata-se e o dono dos sapatos em fuga para a frente fica subitamente descalço ou, pior do que isso, estatela-se ao comprido. E aí, o dono dos sapatos deixa os seus admiradores, que lhe prognosticaram um futuro longo e risonho, com um problema: como vão descalçar a bota?

Como postula a legenda do vídeo, espera-se que esta descoberta nos ajude a compreender como se desatam outros nós complexos, como a geringonça.

Sem comentários: