Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

27/04/2017

Porque não estou surpreendido?

«O investigador José Filipe Pinto referiu que Portugal tem um índice de populismo semelhante ao da França, ocupando o 11.º lugar dos países mais populistas da UE, graças a partidos como o Bloco de Esquerda, o PCP e Os Verdes.

(...)

“E isto é que me incomoda porque ouvi o senhor Presidente da República [no seu discurso no 25 de abril] dizer que Portugal, felizmente, estava alheio a este fenómeno populista. E estava a falar na Assembleia da República. À sua frente tinha três partidos cujos deputados são populistas: o Bloco de Esquerda (populista autoritário), o PCP (populista totalitário) e o Partido Ecologista Os Verdes (populista autoritário)”, explicou.» (Observador)

Ó José, ó Filipe, ó Pinto, tens toda a razão e não te incomodes com o que diz o senhor Presidente da República. Ele diz principalmente o que pensa que o seu público quer ouvir - ele, se calhar, também é populista.

Sem comentários: