Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/09/2016

Pro memoria (319) - Uma espécie de jornalismo normal

Numa leitura original do polémico livro de José António Saraiva «Eu e os políticos» (que não li), Pedro Tadeu escreveu no DN uma peça interessante sobre a prática do que chamamos jornalismo em Portugal (que inclui o que nós no (Im)pertinências costumamos designar por jornalismo de causas), de onde destaco:

«(...) o que lemos a maior parte do tempo são descrições detalhadas de uma forma de praticar o jornalismo que parece estar incorporada como "normal" pois ninguém, no meio de tanta indignação pelos "segredos" publicados, pareceu importar-se com isso.

Segundo este entendimento da minha profissão é natural jornalistas e políticos percorrerem juntos os mais caros restaurantes de Lisboa para negociarem notícias, traficarem timings de publicação, emporcalharem reputações, congeminarem manobras, conceberem planos governamentais, ajudarem a eleger líderes partidários, interferirem noutros media.

Segundo este entendimento, é natural jornalistas irem aos palácios do poder ouvir "confidências" de presidentes e governantes, darem "conselhos" aos poderosos, aceitarem publicar notícias de veracidade duvidosa e verificação impossível, transformar palpites adivinhatórios em factos, assegurar - nos tempos difíceis - mútuos empregos e colaborações bem remuneradas.

Segundo este entendimento, é portanto natural políticos e jornalistas de topo, proclamando independência e separação de águas (é mesmo cego quem não quer ver), trabalharem juntos, horas ao telefone, para, em primeiro lugar, perpetuar o estatuto das respetivas castas e, em segundo lugar, gerir a luta entre fações que, conjunturalmente, divide essas castas.»

Sem comentários: