Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/09/2016

ARTIGO DEFUNTO: A arte de bem titular (11)

Título de um artigo não assinado do Económico:

«Novo Presidente do Brasil já deu emprego à mulher»

Uma pessoa medianamente informada sobre o Brasil sabe que muitos senadores, deputados e membros do governo enchem os seus gabinetes com familiares e amigos a quem o Estado paga as tenças. Lendo este título, essa pessoa pressupõe desde logo que Michel Temer fez o mesmo.

Com o impeachment, de acordo com a constituição brasileira, Dilma Rousseff, foi substituída pelo vice-presidente Michel Temer.  É possível que Temer, tal como muitos outros políticos brasileiros, tenha telhados de vidro, porém, como em tempo já aqui escrevi, é um político de qualidade muito acima da média no Brasil: é uma espécie de negativo de Dilma, sujeito calmo, cordial, conciliador e eloquente (Dilma fala num patuá obscuro que os brasileiros chamam dilmês), foi eleito quatro vezes para a câmara dos deputados, foi seu presidente, e teve uma vida fora da política, como advogado, professor universitário com obra publicada sobre direito constitucional (um dos seus livros foi um best seller) e até poesia.

Porém, nada disso importa para o jornalismo de causa. O que importa é induzir nas meninges dos seus leitores que Michel Temer deu emprego à sua mulher e, portanto, é um corrupto - ainda que seja difícil ascender ao nível dos corruptos do PT que mobilizaram milhares de milhões em propinas.

Mas afinal qual o emprego da Michel Temer deu à mulher? «Marcela Temer atuará como embaixadora de um programa social voltado para a infância no novo governo. Batizado de Criança Feliz, o projeto será lançado ainda em setembro pelo Palácio do Planalto. (...) não terá função executiva e nem receberá remuneração». (Fonte)

Sem comentários: