Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/09/2016

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (141) – Volta José. Estás perdoado. É uma honra estares connosco (II)

A primeira vez estranha-se. A segunda vez entranha-se.

«Ver Sócrates a falar sobre leis de enriquecimento ilícito num encontro institucional do PS até podia ter piada. Ou melhor, ver Sócrates a falar em público de hipotéticas leis sobre enriquecimento ilícito é tão surreal que só pode ser encarado como um exercício de stand-up de uma pessoa inimputável. Sucede que esse show cómico foi realizado num evento do PS. A comédia passa assim a tragédia. Como é que o PS se permite a isto? Com a exceção de Ana Gomes, ninguém naquele partido está disponível para ver que um primeiro-ministro não pode receber milhares e milhares de euros em dinheiro vivo de um construtor que recebeu contratos do governo do primeiro-ministro que recebeu as malas de dinheiro? Como é que isto pode ser um tabu dentro do PS? Este facto já foi admitido por Sócrates, e chega e sobra para uma condenação pública, política e moral desta figura que devia estar coberta de vergonha e debaixo de uma pedra algures na Mongólia interior - mas está a ser reabilitado pelo PS, o tal partido que se julga a essência do regime.»

Henrique Raposo, no Expresso

1 comentário:

Oscar Maximo disse...

Estão a ser muito injustos com Sócrates, estão a desprezar a outra metade da narrativa. Que diz que Sócrates alem de viver á conta de um amigo, vivia, já depois de 1* ministro, á conta da mãe. Essa mais-valia permitiu-se uma vivência que o tornou capaz de compreender a nossa juventude, tornou-se o estadista do futuro,