Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/09/2016

A mentira como política oficial (21) – Costa aproxima-se perigosamente da mentira compulsiva que já tínhamos assistido com José Sócrates

Numa entrevista ao Financial Times publicada na 5.ª feira, Costa é citado como tendo dito rotundas mentiras e mistificações grosseiras como estas:
  • «Portugal is proving that there are successful alternatives to austerity for the eurozone’s struggling economies»
  • «Corporate investment was already up 13 per cent in the first half of 2016, compared with the same period last year, he added»
  • «the economy had started to grow again»
  • «Plans of German companies such as Volkswagen, Continental and Bosch, which were making new investments in Portugal»
  • «After a 2011-2014 EU-led bailout programme that had set Portugal’s economic output “back to where we were 30 years ago”» 
Como pode verificar-se no diagrama seguinte, esta última mentira é excessiva até para um mentiroso compulsivo. Talvez possa explicar-se também pela ignorância.

Fonte: Pordata
Esquecido do que tinha dito uns dias antes, na 6.ª feira, durante uma viagem às Berlengas, desmentindo tudo quando dissera ao FT, «Costa justifica quebra de investimento com "choque de empobrecimento brutal"», quebra que negara dias antes e empobrecimento que garantira ter sido revertido.

É demasiado insultuoso para a inteligência de quem o escuta ou lê, até mesmo para as pessoas (que são muitas) que preferem mentiras mas não são completamente tolas.

2 comentários:

murphy V. disse...

•«Plans of German companies such as Volkswagen, Continental and Bosch, which were making new investments in Portugal»

Fazer crer que estes investimentos resultaram do contexto criado pelo atual governo define bem a personagem.

Também define bem a comunicação social que temos, ninguém questiona ou escrutina, a verborreia diária...

Anónimo disse...

Já diz o povo que é com papas e bolos que se enganam os tolos. Cada povo tem o PM que merece.