Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

18/09/2016

ACREDITE SE QUISER: O Homo economicus se algum dia tivesse existido já teria falecido

Entre as várias ficções criadas pelos economistas para darem algum sentido às suas elegantes equações, que só explicam o que não carece de ser explicado, encontramos o Homo economicus e as expectativas racionais.

Nenhuma destas ficções permite compreender que estando a economia americana a crescer há 3 anos, o desemprego historicamente baixo e a descer, tendo o rendimento das famílias crescido mais em 2015 do que em qualquer outro ano desde que existem estatísticas (o rendimento familiar mediano cresceu 5,2% em 2015 atingindo 56,5 mil dólares), um demagogo do calibre de Donald Trump consegue mobilizar dezenas de milhões de americanos com um ideário para retardados onde predomina a xenofobia e o proteccionismo.

Como nenhuma dessas ficções permite compreender que apresentando também a economia alemã uma boa saúde e sendo Alemanha o maior exportador mundial, beneficiando intensamente (e merecidamente) do comércio livre, centenas de milhar de alemães convocados por umas dezenas de lóbis esquerdistas anti-globalização se tenham manifestado ontem em sete cidades para protestar contra as negociações do Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento entre a União Europeia e os Estados Unidos. E ainda menos permite compreender porquê o apoio aos acordos comerciais é mais baixo na Alemanha (49%) do que em média na UE (61%).

1 comentário:

Antonio Cristovao disse...

A religião (credo) toma formas diversas, mas a mecânica mental deve ser a mesma. Quem consiga dominar a gestão das expectativas ganha todas as eleições que queira.
Ficou-me sempre o conselho do prof de marketing que nos dizia " o trabalho vital é fazer todas as reuniões necessárias até perceber para que lado o dono do estudo quer os resultados: entretanto mandamos as equipas de recolhas de dados para o campo.Depois é só massajar os números.