Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/09/2016

CASE STUDY: É preciso ser muito saudável para resistir a tanta doença (10.º capítulo). O burnout dos professores vulgaris Linnaeus

Outras doenças a que resistimos heroicamente

Eu sabia. Era apenas uma questão de tempo e foi mais cedo do que esperava. Não são só os médicos e os professores universitários a sofrerem de burnout.

Segundo um também utilíssimo estudo «As motivações e preocupações dos professores» da Fundação Manuel Leão, 13,5% dos professores gostariam de aposentar-se antecipadamente e entre os que dão aulas há 31-35 anos são 33% e os com mais de 35 anos de serviço são 43%. Além disso, 8,9% preferiam fazer outra coisa e 8,1% só continuam a dar aulas por não terem outra alternativa. Em suma, um em cada três professores preferia deixar de ensinar.

Afinal, onde está o burnout perguntarão? Ele está lá, só que, diferentemente dos professores universitários e dos médicos mais ilustrados a este respeito, os professores vulgaris Linnaeus apesar de sofrerem da maleita não o sabem por ainda não conhecerem o termo, assim como Monsieur Jourdain qui faisait de la poésie sans le savoir.

1 comentário:

Anónimo disse...

Pois, realmente o restante poviléu está apenas... Cozido...

neves