Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

01/12/2015

SERVIÇO PÚBLICO: A Internacional da Indignação (5)

[Continuação de (4)]

Mais exemplos de imbecilização dos universitários que as universidades americanas prosseguem afincadamente, muitas vezes com grande gáudio dos próprios imbecis que exigem a sua imbecilização. (Fonte: «What’s in a name»).
  • Estudantes de Princeton (mais outra da Liga da Hera) exigem a mudança de nome da Woodrow Wilson School of Public and International Affairs alegando que o 28.º presidente dos Estados Unidos e também antes reitor de Princeton foi um «unapologetic racist»; 
  • Estudantes de Yale, apoiados por Bill de Blasio o mayor esquerdista de NY, exigem que seja mudado o nome do dormitório John C. Calhoun, um antigo senador e vice-presidente, por ter sido um apoiante da escravatura; 
  • A Universidade do Kentucky anunciou que iria tapar um fresco alegórico da história do Estado retratando negros a trabalhar em campos de algodão e a tocar jazz para uma audiência branca;
  • Na universidade de Missoury foi apresentada uma petição para remover a estátua de… Thomas Jefferson por ser «racist» e «rapist». Sim, esse Jefferson, o principal redactor da Declaração de Independência, um dos mais notáveis Founding Fathers.
Suspeito que aqui nesta jangada de pedra as esganiçadas ainda hão-de querer apagar o nome de Afonso Henriques alegando ter o Fundador batido a mãe e o seu amante Fernão Peres de Trava na batalha de S. Mamede.

O que distingue as ideias desta gente das ideias de Josef Vissarionovitch Stalin, que entre outras preciosidades mandou apagar nomes e rostos dos caídos em desgraça em textos e fotos de livros de história?

Aditamento:
Não se imagine que a trampa politicamente correcta só é salpicada pelas ventoinhas ianques. «O diretor do Colégio Garofani, em Rozzano, no norte de Itália, decidiu cancelar o concerto de Natal, em nome da integração de todos os alunos» (Observador). Tradução: para não «ofender» as crianças e pais muçulmanos.

Sem comentários: