Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/12/2015

Crónica da anunciada avaria irreparável da geringonça (8)

Outras avarias da geringonça.

Começo por citar o ministro das Finanças Mário Centeno a dizer no parlamento durante o debate do programa: «no que depender deste governo», o défice ficará abaixo dos 3%. No que depender deste governo? Terá a criatura perdido os últimos resquícios de lucidez? Então se parece pensar que há factores críticos que o governo não controla num orçamento por si apresentado, contendo as despesas por si orçamentadas por exigência da geringonça e as receitas resultantes de impostos aprovados pela geringonça, como é que tem a lata de tentar convencer a populaça que a economia - movida pelas empresas e pelas famílias - depende imenso do que a geringonça fizer?

Continuando, como pode Centeno ter tido a lata de dizer que não deve ser o governo mas sim o BdeP e o Fundo de Resolução a resolverem os problemas do Banif, usando os argumentos do governo anterior para o Novo Banco que o PS atacou desde o princípio?

Uma vez mais, o Berloque de Esquerda insistiu na necessidade de reestruturar a dívida pública. Como é isto compatível com as garantias que o PS deu a Bruxelas?

Registe-se no campo das anedotas, o riso até às lágrimas de Passos Coelho com os argumentos de Centeno e sobretudo a magnífica piada de António Costa. Não, «magnífica piada» não é uma piada minha. Para memória futura, aqui fica a piada de Costa dirigindo-se à direita:
«É verdade que fui eu que negociei com o PCP, mas pelos vistos foram os senhores que ficaram com a cassete». 
Remoendo a cassete
E fica também a expressão eloquente do camarada Jerónimo ao ouvir a piada que deixa antever um aumento das facturas que irá apresentar ao governo. Expressão que ilustra a pouca clarividência de Costa que com o seu sorriso meio alarve julgará ter a sua piada contribuído para reforçar a união entre as secções socialista e comunista da geringonça.

1 comentário:

Anónimo disse...

Já temos dois palhaços de alto gabarito (1o e 4o lugares). Esperemos a apresentação de mais.