Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/12/2015

DIÁRIO DE BORDO: As três leis de Robert Conquest

Robert Conquest, um historiador britânico autor de «The Great Terror: Stalin's Purge of the Thirties», talvez o primeiro livro a desmascarar de forma sistemática a fraude do socialismo real na União Soviética, enunciou as seguintes três leis empíricas:
  1. Todos somos conservadores acerca do que conhecemos melhor; 
  2. Qualquer organização que não seja explicitamente de direita será mais tarde ou mais cedo de esquerda;
  3. A maneira mais simples de explicar o comportamento de uma organização burocrática é assumir que é controlada por uma cabala dos seus inimigos. 
Exemplos que o próprio Conquest deu destas leis: segunda – Igreja Inglesa e Amnistia Internacional; terceira – os Serviços Secretos britânicos do pós-guerra (por exemplo, o grupo Cambridge Four, formado pelos espiões duplos George Blake, Guy Burgess, Donald Maclean e Kim Philby ao serviço da União Soviética).

4 comentários:

Unknown disse...

Os "four" eram "five": Anthony Blunt.

Anónimo disse...

O seu amigo Roberto escreveu um poema que gosto muito:

There was an old bastatd named Lenin
Who did two or three million men in.
That's a lot to have done in
But where he did one in
That old bastard Stalin did ten in.


Agent Provocateur

Anónimo disse...

Não conhecia nada, nadinha, de Robert Conquest.
A vossa súmula é interessante. Também interessantes são os comentários que me antecedem.

Abraço

Unknown disse...

Votos de um 2016 menos mau - ia escrever "razoável" mas há que evitar entusiasmos excessivos...
E que continue (eu) a ter o prazer, e proveito, da vossa leitura diária.
Puro egoísmo,sem apelo nem agravo.