Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/12/2015

ESTADO DE SÍTIO: Habituem-se (2) – o Zingarelho

Continuação de (1)

Segundo a imprensa especializada (Expresso), parece ter sido descoberta uma nova geometria não euclidiana da geringonça que tem virtualidades de lhe prolongar a vida por mais algum tempo. Trata-se da versão animal do queijo limiano combinada com uma versão vegetal nunca antes experimentada.

Comecemos pela versão vegetal que assentará no Partido Os Verdes (PEV) – para quem não saiba, trata-se de uma célula de legumes do PCP, inventada para que o amor do PCP pelas Frentes se realizasse, célula que até hoje nunca foi a eleições nem nunca se distinguiu dos seus hospedeiros. Segundo a teoria de uma nova configuração da geringonça, nos casos em que não convier ao PCP votar com a secção socialista, o PCP abster-se-á e o PEV votará a favor, confirmando os camaradas genuínos do PCP como gente de uma só cara que não se confunde com as esganiçadas do BE, sempre a olharem-se no espelho dos mídia.

Porém, sem os 15 votos do PCP os 107 votos da geringonça não são suficientes para aprovar uma proposta contra os 107 do PSD + CDS. É aqui que entra o deputado único do Partido-Animais-Natureza (PAN) a desempenhar o papel do deputado Daniel Rocha do CDS que, a troco da manutenção da fábrica do queijo limiano na terra dele, aprovou todas as medidas do governo de Guterres proporcionando-lhe assim a maioria. Em troca de quê fará o deputado do PAN de deputado do queijo limiano? Por exemplo do «fim dos canis de abate».

O zingarelho
Chegamos assim a uma nova e insuspeitada versão da geringonça. Como quase tudo na vida, a sua existência dependerá de ter um nome e alguém vai ter de a baptizar. Se for eu o padrinho, chamar-se-á zingarelho.

Sem comentários: