Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/12/2015

Crónica da anunciada avaria irreparável da geringonça (11)

Outras avarias da geringonça.

Segundo o Barómetro da Católica, as intenções de voto da coligação subiram para 41% e as do PS para 34%, as do BE aumentam para 11% e as do PCP descem para 7%, mostrando-se um quarto dos eleitores do PCP insatisfeitos com o seu voto. Quanto às avaliações dos chefes, o da geringonça baixou de 52% para 47% as avaliações positivas, abaixo de Passos Coelho com 56%; Catarina Martins é a chefe mais apreciada com 58% - o que é pouco ou muito conforme se tome ou não em consideração que faz o papel do Pai Natal, respectivamente. Interessante é também saber que a maioria dos inquiridos (52%) entende que Passos Coelho deveria ser o primeiro-ministro contra apenas 37% que pensam que deveria ser António Costa.

São resultados muito interessantes e mostram, a meu ver, várias coisas:
  • Se os eleitores votassem hoje, os votos dos partidos não seriam muito diferentes, com excepção do PCP;
  • O PCP corre o risco de ver a erodida a sua base eleitoral de dinossauros, risco cuja percepção juntamente com o aumento da popularidade dos berloquistas augura menos jogo de cintura dos comunistas e maior confusão no galinheiro;
  • A imagem de Costa está a começar a degradar-se, sendo surpreendente a avaliação positiva de Passos Coelho que ainda recentemente, enquanto primeiro-ministro, andava pelas ruas da amargura.
Não são boas notícias para a secção socialista da geringonça que dá mostras de pouca lucidez com propostas que ressuscitam o corporativismo, como a do transporte gratuito para funcionários, familiares e reformados da CP - leia-se: o transporte desta corporação à conta dos que não lhe pertencem.

Como não são boas notícias as «negociações» sobre o aumento do salário mínimo onde o PS está a ser confrontado pela crescente rigidez do PCP que insiste no aumento do salário mínimo para 600 € e diz que não recua «como o Bloco de Esquerda», a confirmar o que acima referi.

No meio de toda esta azáfama não deixa de ser curioso o anúncio de Mário Centeno de que não vai deixar derrapar o défice de 2015, agora que faltam 3 semanas para o fim do ano. O Expresso expressa, sem aparentemente querer ironizar, uma ideia divertida num título: «Centeno anuncia três semanas de austeridade no Estado para cumprir défice».

Esperemos que o zelo que Centeno parece demonstrar no défice de 2015 - essencialmente da responsabilidade do governo anterior – se mantenha nos défices futuros quebrando a tradição do PS.

1 comentário:

Anónimo disse...

A não esquecer: Os chefes no PCP envelhecem tal como nós. O comunismo falhou, sem apelo nem agravo, por não encontrar um tratamento contra a velhice, a demência, a morte.

A base popular comuna vai pelo mesmo caminho, porque o servo não é maior que o senhor. Os dinossauros vermelhos que aturamos estão em vias de extinção, mais traque, menos traque (metano, co2, vacas, vacos, lambisgóias, etc.).

Lindo é, no Espesso: «Centeno anuncia três semanas de austeridade no Estado para cumprir défice».
Sempre foi um tópico que suscitou o meu enlêvo: o conto do vigário.

Abraço