Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/12/2015

Encalhados numa ruga do contínuo espaço-tempo (54) – Remoendo a golpada

Quando o pior pode acontecer, acontece. E o pior que pode acontecer a uma coligação que ganhou as eleições e foi apeada por uma aliança espúria e oportunista é continuar a remoer a golpada de Costa e a produzir uma moção de rejeição de um programa de governo que está provavelmente mais próximo do seu próprio do que da caldeirada programática que em termos práticos resultará dessa aliança espúria.

Apresentam uma moção de rejeição quando deveriam vigiar de perto a governação de Costa e denunciar 24 horas por dia, 7 dias por semana todas as golpadas, asneiras, incumprimento de promessas, violações do programa e apresentando medidas e soluções alternativas, fazendo assim o seu papel de oposição construtiva em vez de imitarem o estilo trauliteiro da esquerdalhada. Se isto é mau para o futuro da coligação é pior para o PSD e para Passos Coelho que deveria manter as distâncias dos chiliques do salta-pocinhas.

A coligação deveria fazer o papel de oposição construtiva principalmente por razões de princípio, mas também de eficácia e circunstância porque, como aqui explicou Joaquim do Portugal Contemporâneo, a golpada de Costa teve até agora sucesso e «não é possível argumentar com o sucesso».

2 comentários:

Anónimo disse...

O estilo devia ser o "deixa-os pousar"...

Anónimo disse...

Quanto mais asneiras da sinistra ficarem registas nas Actas melhor. Os pedidos de esclarecimento são uma boa forma de libertar a asneirola. E cuidar que tudo fique registado. Dá trabalho mas valerá a pena.