Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/09/2013

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: O que significa o slogan «primeiro as pessoas»

Primeiro as pessoas

«Este é um dos motes mais embusteiros em campanhas eleitorais. Um slogan que cavalga a ideia de superioridade do Estado em relação ao mercado. Insinuando que o capitalismo tende a colocar "os mercados antes das pessoas", obrigando, por isso, à intervenção política para devolver às pessoas o seu devido lugar.

Há outras versões, como "As pessoas estão primeiro". Ou a mais recente - "Um estado social ao serviço das pessoas" - com que Seguro justifica um Pacto em defesa das funções sociais do Estado que se louva na identificação do "social" e do "público" com o "estatal": escondendo as clientelas que se servem do Estado como coutada para, na educação, saúde e segurança social, impedirem a liberdade de escolha.

Foi assim que, dos 5% do produto nacional até finais do século XIX, se chegou aos cerca de 50% de gasto público. Transformando o Estado, dito social, numa monstruosa máquina democrática de redistribuição compulsiva da riqueza da sociedade por três vias: transferência, tomando aos Pedros (favorecidos) para dar aos Zés (desfavorecidos); fornecimento de bens e serviços gratuitos ou a baixo custo, confiscando a uns (os contribuintes) para dar a outros (os utilizadores); e por meio das diversas formas de regulação ou de proteccionismo.
Ora, sem o reconhecimento dos efeitos perversos desta máquina de redistribuição da riqueza e rendimento, torna-se difícil compreender o porquê de na época contemporânea se ter reforçado a tendência para o agravamento do processo de infantilização e degeneração moral da sociedade civil. Um processo de redução do incentivo a trabalhar, a poupar ou a investir... mas também de tranformação de pessoas previdentes em irresponsáveis e de adultos em crianças...

É tempo de se perceber que o problema, mais que orçamental ou constitucional, é de falência de um modelo de confisco que levou sucessivos governos ao crescimento dos impostos, do emprego público e do endividamento. Modelo que, em nome do Estado de bem estar, colocou a política - isto é, os "clientes" - acima dos mercados, com os resultados que estão à vista.

Situação para a qual muito contribuiu a capacidade dos "socialistas de todos os partidos" para fazerem vingar a ideia de que capitalismo beneficia principalmente o capital e socialismo a sociedade. Quando na verdade o capitalismo (o livre mercado) tende a beneficiar a todos, e socialismo principalmente uns poucos (políticos e burocratas) pelo facto de se apropriarem de direitos alheios.

Ora, só pondo a nu o princípio organizador das nossas sociedades - o clientelismo político - se percebe como um Estado protector de direitos se transformou numa fraudulenta máquina de redistribuição. E se entendem tantas resistências e espúrias concertações. Até ao dia em que reformas "politicamente impossíveis" se tornem "economicamente inevitáveis"....»

José Manuel Moreira no Económico

Sem comentários: