Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/09/2013

AVALIAÇÃO CONTÍNUA: Jimmy Carter II

Secção Entradas de leão e saídas de sendeiro

Pelos abusos de intrusão na vida privada de milhões de cidadãos e de utilização indiscriminada de drones em alvos duvidosos, poderíamos comparar Barack Obama a George W. Bush, para pior. Pelas suas tergiversações e manobras sobre a retaliação à Síria pela utilização de armas químicas, por se andar a esconder atrás do Congresso e confundir política internacional com manipulação mediática, Barack Obama pode com justiça ser comparado a Jimmy Carter.

No final deixará os EU tão desacreditados e confusos, como os deixou o homem dos amendoins, a serem vistos como uma espécie de «tigre de papel» para citar o falecido Mao Ze Dong, com a sua autoridade de responsável por dezenas de milhões de mortes. Nesta altura diria, citando O Insurgente, «resta-lhe a pele pois, no mundo politicamente correcto que Obama domina melhor que ninguém, a cor acaba por ser o critério que conta

Pela frouxidão o premeio com 5 urracas e com 4 chateaubriands pela confusão entre liderança e conversa fiada.

ACTUALIZAÇÃO:
Acrescento mais 3 pilatos pelo resultado das suas manobras ter ajudado o czar Putin, o maior violador dos direitos humanos do Atlântico aos Urais, a subir ao púlpito para fazer uma homilia sobre os direitos humanos, sob a forma de uma carta aberta publicada no New York Times.

Sem comentários: