Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/09/2013

Exemplos do costume (16) – Também não vejo drama nenhum

«Não vejo drama numa aliança entre PS e CDS. É uma aliança onde do ponto de vista doutrinário e ideológico é mais nítida a sua diferença e, assim sendo, a dialética da coligação pode ser mais positiva», garante Bagão Félix.

Também acho naturalíssimo, por várias razões. Pois não é verdade que o CDS-PP deixou cair o PP e ficou com o CDS e o seu incontornável “S”. Pois não é verdade que existem precedentes? O Dr. Soares teve um governo com o Dr. Freitas do Amaral, o qual, quase 30 anos depois, participou num governo do Eng. Sócrates. Pois não é verdade que o CDS é um viveiro de socialistas eméritos? Não só os antigos, também muito os jovens centristas, como Assunção Cristas, ficariam bem num governo socialista. Enfim, pois não é verdade que até o Dr. Soares considera o Dr. Portas um «salta-pocinhas»?

E se dúvidas houvesse o próprio Portas as teria esclarecido quando escreveu acerca de Francisco Lucas Pires o que poderia ter escrito (quase tudo) com mais propriedade sobre si próprio: «Ex-fascista e neodemocrata, ex-direitista e neossituacionista, ex-conservador e neoprogressista, ex-liberal e neossocial, ex-nacionalista e neoeuropeísta, ex-coimbrão e neobruxelense, ex-federalista e neoantifederalista, ex-CDS, ex-AD, ex-independente e neo-PSD, ex-pirista e pós-cavaquista».

1 comentário:

Vivendi disse...

Excelente...